Blog

O que a endometriose pode causar caso não for identificada há tempo

o que a endometriose pode causar - Dr. Thales Medeiros

A endometriose, ainda, é uma condição bastante subdiagnosticada no Brasil. Sintomas como dor pélvica crônica e infertilidade não são facilmente associadas a essa doença. Dessa forma, inúmeras mulheres experimentam conviver com períodos de dores intensas sem, nem ao menos, saberem o que tem ou acreditarem em um diagnóstico errado. 

Endometriose subdiagnosticada

Na ausência da descoberta do problema, a endometriose tende a se desenvolver dentro do corpo feminino. Como abordamos anteriormente, essa condição é marcada pela presença de células do endométrio, o revestimento interno do útero, em locais extrauterinos como ovários, tubas, exterior da cavidade uterina, por exemplo. 

Além desses locais, a endometriose pode causar o desenvolvimento das lesões em áreas fora do sistema gênito-urinário da mulher, como intestino, ureter, bexiga, tórax (diafragma, cavidade pleural), abdômen, cérebro e pele. 

Embora essa doença seja um processo comum e não maligno, o tecido endometrial ectópico e a inflamação resultante podem causar cólica menstrual com dor progressiva, ou seja, que não melhora com a aproximação do fim da menstruação, dor durante a relação sexual, dor crônica e infertilidade. Os sintomas podem variar de mínimos a severamente debilitantes. 

Vamos conversar um pouco sobre as possíveis complicações da endometriose, quando essa condição não é diagnosticada precocemente? Confira!

 

Endometriose pode causar:

Lesões ovarianas

A lesão ovariana, também conhecida por endometrioma, é uma complicação relativamente comum que a endometriose pode causar. Um cisto ovariano é formado quando o tecido endometrial ectópico dentro do ovário sangra e resulta em um hematoma cercado por tecido ovariano. 

Ambos os ovários costumam estar envolvidos em um terço dos casos. Esses endometriomas normalmente têm paredes rígidas e aderências superficiais e são preenchidos com material cor de chocolate semelhante a uma calda. O sintoma mais comum costuma ser a dor pélvica. 

O seu rompimento não é comum, algo que diferencia essa condição dos cistos ovarianos fisiológicos que costumam ser hemorrágicos. 

 

Lesões do trato urinário

Até 50% das pessoas com implantação endometrial nesses locais são assintomáticas. Das mulheres diagnosticadas com endometriose pélvica, aproximadamente 1% tem endometriose do trato urinário, mais comumente endometriose da bexiga, já a do ureter é rara, com uma prevalência estimada de 0,1 por cento.

Vamos nos deter a destacar os sintomas da primeira condição, já que é a mais comum. Pessoas com esse problema costumam apresentar um quadro de ardência ao urinar, sangue na urina, urgência miccional (necessidade extrema de ir ao banheiro). 

Esses sinais podem ser confundidos com uma infecção urinária. Assim, se a mulher tratada para uma infecção não fica boa, são necessárias outras investigações. Agora, se você já sofre com endometriose, pode ser um sinal de implantação endometrial na bexiga. 

 

Lesões intestinais

O que a endometriose, ainda, pode causar é o prolongamento das lesões para a região intestinal, caracterizando uma das formas de lesão profunda da doença. A natureza invasiva desses implantes causa dor significativa, disfunção intestinal e desafios de tratamento.

O tratamento da doença intestinal é indicado se sintomas característicos estiverem presentes como dor durante a relação sexual, sangramento retal cíclico, constipação e distensão abdominal, por exemplo.

O tratamento cirúrgico urgente é indicado nos raros casos em que uma mulher apresenta obstrução intestinal. Por outro lado, as mulheres que são assintomáticas ou que apresentam um quadro leve que não são incômodos podem nem precisar de uma intervenção. 

 

Infertilidade

Uma complicação muito comum que a endometriose pode causar é a infertilidade, dificultando as chances de a mulher engravidar. Isso costuma ser decorrente das aderências das células endometriais. Em casos de maior gravidade, a cicatrização da lesão leva ao desenvolvimento de tecido cicatricial, o que pode danificar os ovários ou as tubas uterinas. 

Dor pélvica

Caso a endometriose não seja tratada ou diagnosticada, a mulher pode viver com dores por muito tempo. A dor pélvica pode manifestar sobre formas diversas como cólica, dor pélvica crônica, dor após a relação sexual, dores na função intestinal e urinária. Na maioria das vezes elas se apresentam associadas. 

Cólicas menstruais 

A dor da cólica, também conhecida por dismenorreia, é caracterizada por um processo doloroso progressivo que não tende a melhorar com a redução do fluxo menstrual.

Dor durante a relação sexual

A mulher costuma relatar uma dor no interior da pelve, não superficial, durante a penetração vaginal. Isso gera muito desconforto e frustração para a mulher e para o parceiro.

Dor para defecar e para urinar

Essas situações são bastante desconfortantes e podem se agravar de acordo com o grau de evolução da doença e se a mulher não segue nenhum tratamento para essa condição.

 

Outros acometimentos menos comuns que a endometriose pode causar

O que a endometriose pode, ainda, causar são o aparecimento de sintomas como cansaço extremo, exaustão, menor resistência a infecções e alergias. De acordo com a FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), mulheres com essa condição possuem maior propensão para desenvolver artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico, hipotireoidismo e esclerose múltipla, por exemplo.

Endometriose e meninas jovens

A idade média para o desenvolvimento da endometriose é em torno dos 30 anos de idade. No entanto, algumas meninas mais novas que estejam passando por  ciclos menstruais intensos e cólicas dolorosas, precisam procurar um ginecologista para avaliar a presença da endometriose. 

Lembre-se que um diagnóstico precoce permite a realização de um tratamento adequado, em tempo hábil, antes que todas as complicações citadas acima apareçam. Logo, essa condição deve ser pesquisada o quanto antes. 

Se você possui algum dos sintomas que conversamos, procure ajuda médica especializada. 

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

VEJA TAMBÉM