Blog

Os hábitos de saúde são fundamentais para o controle da endometriose

Tratamento de endometriose

De acordo com Agência de Vigilância Nacional (ANVISA), mais de 10% da população feminina sofre com endometriose, uma condição comum que pode causar dor pélvica progressiva e dificuldade para engravidar. Esse é um número alto, considerando que essa doença tem diversos tratamentos disponíveis no momento.

O que é a endometriose?

A endometriose é caracterizada pela implantação de células do endométrio na cavidade externa do útero. O endométrio é o nome para o revestimento interno desse órgão, aquele que sai durante a menstruação. Quando essas células crescem, elas causam inflamação, o que pode levar a sintomas, como dor intensa na pelve e cólicas que só pioram com o decorrer do ciclo menstrual. Os locais mais comuns onde ocorre a endometriose são os ovários, as tubas uterinas, intestino grosso e as áreas anterior, posterior e lateral do útero.

 

E quanto ao tratamento?

Existem várias opções de tratamento médico e cirúrgico para a endometriose. O melhor tratamento depende da sua situação individual. Confira, no meu outro blog, mais detalhes sobre o assunto.

O que pode causar a endometriose?

A causa da endometriose não é conhecida. Existem várias teorias e pesquisas que estão em andamento para encontrar uma origem para essa condição, que justifique a migração do tecido endometrial para outro local que não a região interna uterina.

O que sabemos, entretanto, é que alguns fatores podem influenciar significativamente na gravidade da doença, entre eles estão os seus hábitos de vida. De acordo com novos estudos, ter uma má alimentação, ser sedentário, beber pouca água, ter noites de sono ruim pode piorar as dores da paciente, diminuindo a sua qualidade de vida.

Vamos conversar melhor sobre o assunto e como é possível amenizar essa condição, evitando a complicação dos sintomas. Confira!

 

Estresse e ansiedade

Você sabia que fatores como estresse e ansiedade são os principais desencadeadores de processos inflamatórios no corpo? Isso ocorre porque, diante dessas situações, ocorre a liberação de prostaglandinas no organismo, que aceleram inflamações e aumentam a sensação de dor. Assim, uma pessoa que sofre com endometriose, com certeza, vai ter piora dos seus sintomas em situações de correria do dia a dia, agitação, rotina desregulada e privação do sono.

Adotar práticas alternativas, no dia a dia, como meditação, momentos de respiração, práticas holísticas como yoga, pilates, além de massagens relaxantes podem ser fundamentais para aliviar a tensão e o estresse da paciente, reduzindo significativamente as suas dores.

 

Alimentação desregulada

Manter uma alimentação saudável é capaz de modificar a vida dessa paciente. Isso se deve ao fato de que os alimentos são importantes aliados na manutenção do sistema imunológico fortalecido, além de ajudar a paciente a ter um peso adequado, evitando o excesso de gordura corporal, que, quando aumentada, desencadeia a produção demasiada de hormônios femininos, o que tende a piorar os sintomas da endometriose.

Outro ponto importante que a alimentação ajuda é manter o bom funcionamento intestinal, já que o acúmulo do fecal, no intestino, pode desencadear a absorção de toxinas que possam imunossuprimir o sistema de defesa da mulher.

Assim, tudo o que é ingerido tem um forte poder na vida de uma pessoas, impactando diretamente no alívio das dores, da inflamação, da insônia, de alergias e da infertilidade. Dessa forma, confira uma lista com alimentos que não podem faltar no seu dia a dia:

  • Alimentos anti-inflamatórios: eles são uma excelente opção para amenizar os sintomas da endometriose. Dessa forma, dê preferência a comidas com ômega 3, como peixes salmão, atum e sardinha, insira oleaginosas como castanhas, nozes, amêndoas, avelãs nos seus lanches ou nas saladas. Invista, também, em folhas verde-escuras, como couve, brócolis e espinafre;
  • Fibras: invista em leguminosas como feijão, ervilha, lentilha, grão de bico e soja, além de grãos, farelos e farinhas de arroz, linhaça, aveia, cevada, milho e trigo. Coloque, também, o consumo de pães e biscoitos integrais à base de centeio, farinha integral e milho, no seu dia a dia. Consumir cereais matinais sem açúcar, também, são uma ótima opção. Consuma frutas como ameixa e abacate, ricos em fibras. Esses alimentos ajudam na manutenção de um fluxo intestinal adequado, evitando a constipação.
  • Alimentos ricos em vitamina E: essa é uma vitamina presente em óleos vegetais, no germe de trigo e novo que tem a função de ajudar na cicatrização das lesões internas endometriais causados por hemorragias uterinas, aliviando, também, as dores;
  • Alimentos com vitamina A: invista em cenoura, mamão, abóbora, manga, tomate e pimentão, por exemplo, pois essa vitamina auxilia na defesa do sistema imunológico, além de reduzir o processo inflamatório do corpo, no geral;
  • Produtos ricos em vitamina C: frutas cítricas, couve, brócolis, pimentão, por exemplo, são alguns dos alimentos ricos nesta vitamina que não devem sair da sua dieta. Quando está em conjunto com as vitaminas E e A, o seu poder antioxidante fica maior ainda, reduzindo a susceptibilidade de infecções do corpo, levando à redução da formação de prostaglandinas inflamatórias.

 

Sedentarismo

Aqui não existem regras. Se você tem uma atividade física que você gosta, continue praticando. Se você ainda não possui, calma! Existem inúmeras possibilidades de exercícios disponíveis, como caminhadas, corrida, hidroginástica, natação, musculação, algum esporte favorito…

É importante que essa atividade seja praticada regularmente, de três a sete vezes na semana, mantendo um padrão de intensidade razoável, a fim de ajudar na queima de calorias e colaborar para a melhora da inflamação uterina.

Os exercícios costumam ser benéficos, pois regulam a liberação de endorfinas, substâncias que possuem efeitos vasodilatador e analgésico. Assim, é possível, de fato, proporcionar alívio de dores e do processo inflamatório, quando a prática de atividades é realizada de maneira regular e constante.

Além disso, o exercício ajuda na manutenção de peso da paciente, visto que, como já disse aqui, o excesso de gordura ajuda a agravar processos inflamatórios no organismo, intensificando dores e o quadro geral da mulher.

 

Evite noites mal dormidas

Ter boas noites de sono é um dos pontos principais no alívio da endometriose, isso porque noites mal dormidas desencadeiam a liberação de substâncias estressoras que levam à aceleração da inflamação da região. Assim, conheça alguns hábitos de higiene do sono que possam proporcionar noites de sono mais reparadoras. 

  • Tenha um horário para dormir para que seu corpo tenha uma rotina e sempre mantenha os padrões de sono regulares;
  • Evite alimentos estimulantes e de digestão difícil como cafeína, chocolates, refrigerantes, entre outros. O ideal é consumir o café até às 16 horas da tarde, para que ele não influencie diretamente na qualidade do seu sono;
  • Evite praticar atividade física muito próximo da hora de dormir, pois isso evita noites tranquilas, o ideal é manter os treinos pela manhã ou pela tarde;
  • Evite longos cochilos durante o dia. Sonecas de, no máximo, 30 minutos podem suficientes para um descanso rápido e reparador, nada de cochilos de mais de uma hora durante o dia;
  • Tenha uma rotina noturna, avisando ao corpo que chegou a hora de dormir. Invista em chás calmantes, como camomila, difusor de odores de ambiente, músicas relaxantes, um bom banho morno, coloque um pijama confortável e pratique leituras ou meditação antes de dormir;
  • Evite telas uma hora antes de se deitar;
  • Procure não entrar com o celular quando for dormir, evitando o contato com informações do mundo externo que impeçam uma boa noite de sono.

Lembre-se sempre que um tratamento alternativo pode ser um poderoso aliado do tratamento médico, melhorando significativamente a qualidade de vida do paciente. Agende uma consulta!

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

VEJA TAMBÉM